×

Gruta de Nossa Senhora de Lurdes

sexta-feira, 08 de agosto de 14 às 16:14 | Atualizado às
Gruta de Nossa Senhora de Lurdes

Gruta de Nossa Senhora de Lurdes

Bairro de Lurdes

 

 

A Gruta Nossa Senhora de Lourdes, em Pará de Minas, Começou a ser planejada um ano após a Celebração do Centenário das aparições de Nossa Senhora da cidade Francesa de Lourdes, pois os Católicos se reuniram e decidiram que se construísse, na cidade, uma Gruta, em que as imagens de Nossa Senha de Lourdes e Santa Bernadete permanecessem para se sempre
lembrado o significado das aparições de Nossa Senhora.
Naquela época, os moradores da Praça da Independência também pensaram que a Gruta pudesse ser construída lá, por entenderem que aquela Praça seria o local apropriado; até falaram, a respeito disso, com o Vigário da Paróquia Nossa Senhora da Piedade, Padre Gabriel Hugo da Costa Bittencourt. Ele, no entendo, achou melhor localizá-la na região oeste da cidade, onde hoje é o Bairro Nossa Senhora de Lourdes.
Aproveitando o momento da homenagem à Virgem Maria e, talvez, acreditando que, a partir da construção da Gruta, novos habitantes residiriam naquela região, Dr. Edward Moreira Xavier Prefeito Municipal, decretou a criação do bairro, que recebeu o nome de Nossa Senhora de Lourdes. Durante a solenidade de inauguração, leu-se o decreto.
A Gruta de Nossa Senhora de Lourdes foi resultado de um trabalho conjunto de fé e dedicação, que movimentou os moradores da Praça Francisco Valadares em torno do pedreiro João Viegas, responsável pela obra. Embora não tivesse o aval de um engenheiro, conseguiu um trabalho perfeito, contando com a colaboração de todos os moradores da região. Iniciou-se a construção em 24 de setembro de 1958, e, em pouco mais de 04 meses, inaugurou-se a Gruta, a qual recebeu as belas imagens da Virgem de Lourdes e de Santa Bernadete, doadas durante a solenidade de inauguração, ocorrida no dia 1º. de fevereiro de 1959.
No livro de Tombo de numero 03 da Paróquia de Nossa Senhora da Piedade, registra-se que, no dia 1º. de fevereiro de 1959, o povo Pará-minense, num digno testemunho de amor à excelsa Mãe de Deus, deixará perenizado o centenário de suas aparições em Lourdes, oferecendo-lhe uma piedosa Gruta. No mesmo livro, lê-se, ainda que as 09:30 horas, foi celebrada missa, na Matriz de Nossa Senhora da Piedade, por intenção de todas as pessoas que trabalham na construção da Gruta e auxiliaram, direta ou indiretamente, por que tal obra se realizasse; e que , às 16 horas, houve uma nova celebração, dessa vez em frente à padaria Guimarães, onde já se encontravam as imagens de Nossa Senhora de Lourdes e de  Santa Bernadete, doadas pelos proprietários daquele estabelecimento, Em seguida, os fiéis se dirigiram, em procissão, até a Gruta,onde as imagens foram colocadas, tendo lá recebido a benção do Pároco.
Com o passar dos anos, o Bairro Nossa Senhora de Lourdes, cresceu, ganhou novas residências, estabelecimentos comerciais e muitos novos moradores. em razão deste progresso, a Gruta que é também um apelo aos devotos, para que cumpram solicitações de Nossa Senhora, passou a ser vista, ainda, como um ponto de encontro para os fiéis em suas atividades.
Para manutenção e limpeza da Gruta, diversas pessoas se revezaram no trabalho. As primeiras zeladoras foram as senhoras Antônia Lucinda da Silva, mais conhecida como Túnica,  e sua  irmã, Maria José Ferreira, a quem chamavam de Nem, pessoas que se entregaram com afinco, como todas as demais, nas tarefas de varrer, lavar e limpar o interior da Gruta, de preservar suas flores e manter limpos os acessos a ela. Dona Áurea Geralda de Carvalho, esposa do saudoso José Carvalho dos Santos, também auxiliava no trabalho de Dona Túnica e Nem, por residir próxima à Gruta. Além das referidas pessoas, toda a Comunidade local ajudava na preservação da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, em especial, nas quermesses que ocorriam em frente à Gruta nos anos seguintes ao ano de 1970.
Em seu leito de morte, Dona Túnica solicitou a Padre Hugo que doravante a responsabilidade pela manutenção e preservação da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes ficasse a cargo de Dona Áurea, o que, de fato, ocorreu tornando-a zeladora do local em conjunto com a Senhora Maria Alice de Almeida Peixoto, porém conhecida como Licinha.
Atualmente, em razão da avançada idade de Dona Áurea, bem como em face do falecimento de seu estimado marido, José Carvalho dos Santos, no final do ano de 2002, a responsabilidade de zelar pela Gruta foi transferida para Licinha, a qual recebe a colaboração da Sra. Maria José Lima de Oliveira. Delas se percebe a dedicação ao trabalho que até ultrapassa as tarefas normais, pois ainda auxiliam nas festas religiosas promovidas no local. São como as zeladoras primeiras que foram conduzidas à Gruta pela vontade de Nossa Senhora de Lourdes, assim como os obreiros responsáveis pela existência da Gruta e todas as pessoas que recebem a graça desse convite!

Notícias Relacionadas

06 ago 14
20 mar 14
03 out 13
19 set 13

Parceiros