×

Histórico da Paróquia de São Francisco de Assis - Pará de Minas

Durante 120 anos, a paróquia de Nossa Senhora da Piedade foi a única em Pará de Minas. Em Maio de 1959, foi criada a Diocese de Divinópolis, que teve como seu primeiro Bispo, D. Cristiano Portella de Araújo Pena e, a partir de então, a Paróquia Nossa Senhora da Piedade passou a pertencer à nova Diocese. Vendo que estava se tornando difícil para o então vigário, Padre Hugo, administrar a Paróquia contando apenas com um auxiliar, Padre Grevi, D. Cristiano, após um estudo minucioso, entendeu que estava na hora de se criar uma nova Paróquia. Efetivamente, pelo Decreto nº. 4 de 12/10/1959, D. Cristiano, em território desmembrado das Paróquias de Nossa Senhora da Piedade e de Santo Antônio de Mateus Leme, erigia... “sob o patrocínio do Seráfico Pai S. Francisco...” a paróquia de São Francisco de Pará de Minas. No citado Decreto, D. Cristiano assim se expressou: “Agradecemos sinceramente ao Deus Onipotente a graça insigne de ser Pará de Minas a primeira Paróquia por nós estabelecida. Queremos manifestar, assim, a essa eucarística cidade nossa benevolência e estima e esse nosso ato constituirá penhor de abundantes e continuas bênçãos divinas...”, E, ao justificar a escolha de São Francisco consignou:...”Prestamos, desse modo, merecida homenagem à veneranda Família Franciscana, que desde os albores da nacionalidade vem se dedicando tão intensamente à grandeza espiritual do Brasil...”.

 


A Paróquia de São Francisco teve padre Hugo como seu primeiro vigário, como o título de Vigário Ecônomo que esteve à frente da nova Paróquia até 10/04/1966, quando, após entendimentos como a Província de Santa Cruz, a entregou aos cuidados dos frades franciscanos. Desde que foi entregue aos franciscanos a paróquia teve 5 párocos.

 


Frei Leopoldo Lafeber, OFM, holandês, nomeado em 10/04/1966, exerceu seu ministério durante 09 anos, até 10/01/1975. Foi responsável pela construção da Matriz e Casa Paroquial, contando com a ajuda financeira vinda da Europa e com a constribuição dos paroquianos e da sociedade paraminense. Teve como vigários paroquiais, ao longo de seu ministério, os freis: Geraldo de Reuver, Nicolau Schwendler, Erasmo Veen, Augusto Uiterwaal, Seráfico Schlüter, Amâncio (Guilherme) Wordragen, Paciano van Schaick, Berardo Kleuskens, Rodrigo Verkoyen. Frei Leopoldo foi um pároco muito atuante e preocupado com os mais carentes. Criou as obras sociais e através delas, uma sopa diária que era distribuída aos pobres, no galpão ao lado da Igreja Nossa Senhora das Graças, e ainda distribuía alimentos (cestas básicas). Neste trabalho muito ajudou a OFS que angariava os alimentos, fazia e distribuía a sopa; criou o Clube de Mães, onde eram ministrados diversos cursos, tais como costura, bordado, culinária, alfabetização, educação pré-primária, reforço alimentar, etc.

 


em 1969, com a aniciativa de Frei Paciano, foi criada a primeira obra social com a sigla SALEM – Serviço de Assistência Laical pra emancipação e madureza e como e ajuda da “Miserior”, construiu as 5 unidades de atendimentos aos carentes na periferia da Paróquia. O SALEM tinha como objetivo a promoção humanas e várias eram as atividades ali exercidas: cursos profissionalizantes, artísticos e a sopa Santa Isabel. Frei Leopoldo soube também cuidar do lado espiritual da Comunidade criando o Apostolado da Oração, OFS, Catequese. Deu muito apoio na criação do Coral Nossa Senhora das Graças.

 


De 10/01/1975 a 18/02/1977, assumiu a paróquia Frei Jorge Geerlings, OFM, holandês, que deu continuidade ao trabalho iniciado por seu antecessor, sendo auxiliador por Frei Inácio Drech. Criou a JUFRA e terminou a construção da Matriz.

 


Frei Estanislau Bartholdy, OFM, primeiro brasileiro a assumir a paróquia de 18/02/1977 até 06/02/1986, permaneceu como pároco por nove anos e teve como auxiliares Frei Márcio Carneiro Cabral e Frei Erasmo Veen. Em sua administração foi criada a Pastoral da Saúde; Enfermagem do Lar, com dezenas de leigos e leigas que após um período de aprendizagem, prestavam assistência aos doentes,  fazendo controle de pressão arterial, curativos, aplicando injeções, orientando-os na alimentação, higiene. Frei Márcio exerceu um trabalho muito importante na formação espiritual e profissional dos paroquianos, dando aulas de trabalhos manuais, como escultura em argila e entalhe em madeira, tear Chileno, etc.

 


Em fevereiro de 1986, em substituição ao Frei Estanilau, foi nomeado Frei Edvaldo Kemmerem, OFM, Holandês e como vigários paroquiais, vieram os Freis Salvador Tonino, Fernando Stokman, Hipólito Elskamp, Frederico Voorvolt. Frei Edvaldo vendo sua paróquia expandir com o surgimento de novos bairros sentiu a necessidade de se ter mais Igrejas e então construiu a Igreja Nossa Senhora da Conceição, no bairro Providência, Igreja de Santa Edwiges, no bairro Recanto da Lagoa e Igreja de São Judas Tadeu, no bairro João Paulo II. Durante muitos anos Frei Edvaldo cuidou da alimentação dos presos na cadeia local, fornecendo o café e alimentação (marmitex). Tinha também uma atenção para confecção de pijamas, fraldas e roupinhas para recém nascidos, filhos de mães carentes.

 


Após 12 anos, Frei Edvaldo foi transferido para a paróquia de Santo Antônio, em Belo Horizonte e, em janeiro de 1998, Frei Francisco Duarte Junior, OFM, brasileiro, assumiu a paróquia, contando com os vigários paroquiais Frei Orçar Van der Neut e Frei Marcio Carneiro Cabral.

 


Frei Francisco deu novo impulso às Pastorais e Movimentos que atuam e auxiliam nas diversas atividades paroquiais e na preparação de novas lideranças, dedicando-se mais à formação de leigos e à pastoral familiar. A Igreja matriz foi totalmente reformada, recebendo nova fachada, novo presbitério, capela do Santíssimo e está sendo construída a nova casa paroquial.

 


A paróquia São Francisco, que era a maior da cidade teve reduzido seu território paroquial, com a criação de duas novas paróquias: em 1986, a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, e, em 2001, a Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Com o desmembramento, a paróquia adquiriu nova configuração humana e geográfica, ficando menor geograficamente e sem comunidades rurais. É uma paróquia de centro com população de classe média média e média baixa. Não é muito extensa. Tem grande densidade demográfica (mais ou menos quinze mil habitante)  Tem uma comunidade urbana, dedicada à Nossa Senhora das Graças e a Capelania do Hospital Nossa Senhora da Conceição.

 


Obs.: No mês de dezembro de 2006, os franciscanos entregaram a Paróquia São Francisco, em Para de Minas. No dia  1º. de Janeiro de 2007, tomou posse como Administrador Paroquial o Rev. Sr. Pe. Amarildo José de Melo, tendo como auxiliar Pe. Joaquim Antônio de Souza. Pe. Joaquim foi transferido para a Paróquia de São Pedro, ficando somente o Pe. Amarildo José de Melo, como  Administrador Paroquial.

Parceiros