×

Histórico da Paróquia de Santo Antônio - Divinópolis

A Paróquia Santo Antônio, fundada em 30 de dezembro de 1944, está localizada numa região muito privilegiada da cidade de Divinópolis, em Minas Gerais, com sua sede fixada no coração da cidade, a Paróquia de Santo Antônio é destaque e referência para o povo divinopolitano e para os visitantes da cidade. A frente da paróquia deste sua fundação, estão os frades da Ordem dos Frades Menores de  São Francisco de Assis que fazem presença na cidade deste 1924, quando a região da Paróquia de Santo Antônio ainda pertencia a Paróquia Divino Espírito Santo (hoje Catedral de Divinópolis). Daí o nome da paróquia. Crescendo junto com a cidade, a paróquia criou uma identidade muito forte com os habitantes em geral e por isso é motivo de visitação de pessoas vindas de outras Paróquias para missas, confissões, casamentos e batizados.


A Paróquia conta com três comunidades: Santo Antônio (localizada na área central de Divinópolis), São Geraldo (também na área central, porém um pouco mais afastada) e a Comunidade Imaculada Conceição (no bairro Esplanada, junto ao centro da cidade). Cada Comunidade tem sua identeidade própria, porém sem perder a integração entre elas, posto que a comunidade paroquial tem sempre a ganhar com a união das três Comunidades.


Os trabalhos desenvolvidos na Paróquia são diversos, fruto de muitos anos de caminhada. São trabalhos dos mais comuns em Paróquias – como o da liturgia -, até trabalhos mais específicos como o centro de Bem-Estar.


 

HISTÓRIA DA PAROQUIA EM ORDEM CRONOLOGICA:


1924 (08 de Abril) – O arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, Dom Antônio dos Santos Cabral, oferece, por carta a condução da Paróquia do Divino Espírito Santo de Divinópolis à Ordem dos Frades Menores.

(20 de junho) – Chega por telegrama a autorização do ministro provincial da Província dos Santos Mártires Gorcomienses, da Holanda, para a Ordem se estabelecer em Divinópolis.

(11 de agosto) – Frei Hilário Verhey é instalado como primeiro vigário franciscano da Paróquia do Divino Espírito Santo e passa a residir no casarão da praça da Matriz (hoje Museu Histórico).

(07 de novembro) – Doação do terreno pela Municipalidade à “Casa de Santo Antônio de Ouro Preto” para a construção do Colégio Seráfico, Igreja matriz, e casa paroquial (Lei nª. 140)

 

 

1934 (19 de agosto) – Bênção solene do Santuário, ainda inacabado. Celebração da primeira missa solene.

 


1944 (30 de dezembro) – Criação da Paróquia de Santo Antônio de Divinópolis pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, Dom Antônio dos Santos Cabral (Decreto nº. 49). O território da nova Paróquia fazia parte da Paróquia do Divino Espírito Santo.


1945 (1º. de janeiro) – Posse do primeiro vigário da Paróquia de Santo Antônio, Frei Meleto Geeve, que também foi nomeado vigário encarregado da Paróquia Divino Espírito Santo.


(10 de fevereiro) – Formação do Vicariato Forâneo de Nossa Senhora Rainha do Clero, integrando pelas paróquias de Santo Antônio de Divinópolis, de Santo Antônio dos Campos e de São Sebastião do Cercado (Decreto nº. 48 do arcebispo de Belo Horizonte).


(17 de junho) Posse do novo vigário da Paróquia de Santo Antônio, Frei Carlos Schep, que até janeiro de 1947 também dirigiu a Paróquia do Divino Espírito Santo, quando foi assumida pelo Padre Hilton Gonçalves de Souza.

 


1949 (20 de novembro) – Inauguração do Santuário de Santo Antônio com os afrescos de Frei Humberto Randag.

 


1988 (15 de dezembro) – Tombamento dos afrescos do Santuário pelo prefeito municipal de Divinópolis, Dr. Aristides Salgados dos Santos (Lei nº. 2.459), por sugestão do Conselho Municipal de Patrimônio Historio Artístico e Paisagístico.

 

 


Vigários construtores do Santuário:


Enquanto conduziam a Paróquia do Divino Espírito Santo de Divinópolis, com vigários, os cinco frades da Ordem dos Frades Menores, abaixo relacionado, empreenderam a construção do Santuário de Santo Antônio:
1- Frei Hilário Verhey (1924-1931)
2- Frei Brás Berten (1931-1939)
3- Frei Gilberto Alders (1939-1941)
4- Frei Rodrigo Verkoyen (1941-1942)
5- Frei Metelo Geeve (1942-1945)

 

VIGÁRIOS DA PARÓQUIA SANTO ANTÔNIO:
01- Frei Metelo Geeve (1º. de janeiro a 17 de junho de 1945)
02- Frei Carlos Shep (1945 – 1952)
03- Frei Isidro Bottega (1952 – 1962)
04- Frei Mariano Gijsen (1962 – 1970)
05- Frei Patrício de Moura Fonseca (1970 – 1977)
06- Frei Hugo Van Stekelenburg (1977 – 1982)
07- Frei Hilário Meekes (1982 – 1988)
08- Frei Adriano de Wit (1988 – 1992)
09- Frei Célio de Oliveria Goulart (1992 – 1997)
10- Frei Teodoro Verkuijlen (1998 – 2007)
11- Frei Vicente Ronaldo da Silva

12-Frei Francisco


PÁROCOS ANTERIORES:


Enquanto conduziam à paróquia do Divino Espírito Santo em Divinópolis, como vigários, os cinco frades da Ordem dos Frades Menores, abaixo relacionados, empreenderam a construção do Santuário de Santo Antônio:


1- Frei Hilário Verhey (1924 – 1931) – 1º. Vigário franciscano de Divinópolis com incumbência de construir uma nova Igreja cujo padroeiro seria Santo Antônio de Pádua. Viabilizou o projeto estudando plantas e inventando meios para executar a difícil tarefa de construir uma Igreja que corresponderia as necessidades espirituais de uma cidade em franco progresso.


2- Frei Brás Berten (1931-1939) Construiu o corpo da Igreja e começou com a torre em 1935; Começou a construção da Casa Santo Antônio: O sino, presente do então Governador do Estado, Dr. Benedito Valadares, foi fundido na Rede Ferroviária e bento com grande júbilo;
Aos 19/08/1934, bênção solene do Santuário, ainda inacabado e a celebração da primeira missa solene;
Em 1937 foi desmembrada da paróquia do Divino a paróquia de Santo Antônio dos Campos.

 

3- Frei Gilberto Alders (1939-1941) – pós o forro e os ladrilhos.

 

4- Frei Rodrigo Verkoyen (1941-1942) – Vigário interino – terminou a construção das capelas laterais;
Comprou e instalou os alto-falantes.

 

5- Frei Metelo Geeve (1942-1945) – Transformou a Casa Santo Antônio em Cine Teatro Santo Antônio e colocou no Santuário os seis confessionários;
Em 1º de janeiro de 1945, foi criada a Paróquia de Santo Antônio de Divinópolis, desmembrada da Paróquia do Divino e Frei Metelo nomeado o primeiro vigário da nova paróquia. (Cf. Livro de Tombo pág 56).

 

VIGÁRIOS DA PARÓQUIA DE SANTO ANTÔNIO E SUAS GESTÕES:

 

01- Frei Metelo Geeve (1º de Janeiro de 1942 a 17 de junho de 1945) Funções citada acima.

 

02- Frei Carlos Schep (1945-1952) Conclusão do templo e responsável pela vinda de Frei Humberto para pintar os afrescos – 02/02/1948;
Posso do novo vigário da Paróquia de Santo Antônio, Frei Carlos Schep, que até janeiro de 1947, também dirigiu a paróquia do Divino Espírito Santo, quando foi assumira pelo Padre Hilton Gonçalves de Souza;

Em 20 de novembro de 1949, inauguração do Santuário de Santo Antônio com os afrescos de Frei Humberto Randag;

Jornal “A Semana”, sob a administração de Frei Respício vem de Valkenhorf.

 

03- Frei Isidro Bottega (1952-1962) saiba mais...
Implantou a Escola Profissional São Francisco de Assis, por onde passaram centenas de crianças pobres;
Promoveu o Natal dos Pobres de toda a cidade, com distribuição dos donativos no dia 23/12/2952;
Realizou a 1ª Semana Santa na paróquia depois de sua criação.

 

04- Frei Mariano Gilsen (1962-1970) saiba mais...
Continuidade do trabalho das Obras Sociais (Consultório dentário; restaurante das crianças; escola domestica; Clube mirim de trabalho e Clube de Mães. Mendicância funcionando muito bem);
Priorizando a família (movimento para a santificação da família) incentiva a participação, formação e restauração das famílias na paróquia, promovendo uma grande interação. Frei Mariano enviava no inicio do ano uma circular a todas as famílias da paróquia, onde falava das  expectativas para o ano e na colaboração que queria das famílias tanto espiritualmente e materialmente para realizar seu trabalho pastoral;

 

05- Frei Patrício de Moura Fonseca (1970-1977) saiba mais...
Criou as Servas (grupo de senhoras voluntárias para cuidar de partes da Igreja como ornamentação, paramentos e limpeza);
Atendimento efetivo na Casa Paroquial com aconselhamentos;
Inicio da construção do novo restaurante popular da ADAP, no bairro Afonso Pena.

 

06 Frei Hugo Van Sterkelenburg (1977-1982) saiba mais...
Experimentou a celebração da novena fora do Santuário, nas ruas. Idéia bem acolhida pela comunidade, fazendo assim em casa celebração, um encontro de família que preparavam tudo com muito carinho; Ceb’s; Grande reforma da Escola São Francisco.

 

07- Frei Hilário Meekes (1983-1988) saiba mais...
Reforma do Estatuto da Paróquia;
Reuniões do Grupo de Jovens Ad’Cristo;
Reforma na Casa Paroquial para um centro  pastoral com muito movimento; Cursos bíblicos.

 

08- Frei Adriano de Wit (1989-1992)
Pastorais existentes continuaram seus trabalhos; Tiveram início as confissões em mutirão na paróquia; AS novenas de Santo Antônio voltaram a ser feitas no Santuário, não nos setores; Implantação dos Ministérios de Casamento e Batismo na paróquia; Vinda, de Belo Horizonte, o 1º Encontro de Casais com Cristo (ECC), que aconteceu nos dias 13, 14 e 15 de março de 1992.

 

09- Frei Célio de Oliveira Goulart (1992-1997) saiba mais...
Mudança na diretoria das Obras e das Servas; Reabertura da Escola São Francisco de Assis mediante um convênio entre a Prefeitura e o Governo; Esforço da equipe de liturgia em dinamizar as celebrações e muito emprenho de todos na paróquia; Reforma total do Santuário e restauração dos afrescos, tombados pelo patrimônio histórico.

 

10- Frei Teodoro Verkuijlen (1998-2007) saiba mais...
Encontrou a paróquia bem estruturada e em 1998, a  paróquia recebeu a visita das relíquias de Santa Teresinha, de 5 a a6 horas. No mesmo ano, em dezembro, foi comemorado o jubileu de ouro de Dom Aloísio Lorscheider na paróquia; Em maio de 99, foi apresentada à paróquia a Equipe da Partilha (dizimo) juntamente com o Boletim com o mesmo nome com objetivo de informar e partilhar a caminhada da paróquia; o pároco é incentivador e atento ao trabalho dos leigos e à participação da comunidade na paróquia.
 

 

Parceiros