Comentário ao Evangelho do 25º Domingo da Tempo Comum (Mt 20,1-16) - 24/09/17

Quinta-feira, 21 de setembro de 2017 às 0h 03  - Atualizado às 8h 16

Naquele tempo, Jesus contou esta parábola a seus discípulos: 1“O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 2Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha. 3Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 4e lhes disse: ‘Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo’. 5E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três da tarde, e fez a mesma coisa. 6Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: ‘Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ 7Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou’. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha’. 8Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!’ 9Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 10Em seguida, vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata. 11Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 12‘Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’. 13Então o patrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 14Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?’ 16aAssim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”.

 

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

 

Comentário do Padre Guilherme

 

 

Nesta passagem, vemos Jesus contando uma parábola relacionada ao que aconteceu por ocasião de Seu anúncio. Os primeiros destinatários da mensagem de Deus foram os que faziam parte do povo de Israel, isto é, os judeus. Entretanto, eles não acolheram de bom grado o que Ele anunciava. Inicialmente, Sua mensagem foi mais bem recebida pelos pagãos.


No versículo 7, aparecem pessoas que estavam desocupadas, largadas, sem serviço porque ninguém as tinha contratado. Fazem lembrar os que eram rejeitados pela sociedade judaica legalista do tempo de Jesus. A esses desprezados também foi proposta a possibilidade de salvação.


O ensinamento parece se dirigir aos fariseus. Eles se escandalizavam porque Jesus se aproximava de pessoas que, aos olhos da sociedade daquele tempo, não eram dignas de atenção.


Na parábola, até quase o final do dia ainda existia a possibilidade de se trabalhar e receber o pagamento. Isso nos mostra a ideia de que na vida nunca é tarde para se voltar e responder ao chamado de Deus. A recompensa não é menor para quem tenha descoberto o caminho de Jesus mais tarde.


As pessoas que trabalharam o dia inteiro se indignaram pelo fato dos que iniciaram a jornada mais tarde terem recebido a mesma recompensa. Entretanto, pensando na lógica divina, quem toma parte na vinha do Senhor mais cedo já está no lucro porque participou mais. No fundo, quem começou mais tarde é que deixou de aproveitar a alegria de fazer parte do Reino de Deus por mais tempo.


Jesus ensina também que ninguém deve se sentir invejoso perante a generosidade e gratuidade de Deus. Na parábola, o patrão não foi injusto. Pagou o que havia de fato combinado com os trabalhadores. E foi generoso com os últimos.


Com essa parábola Jesus está ensinando sobre a bondade de Deus, que ultrapassa os critérios humanos de retribuição. E é justamente essa bondade que é contestada pelos empregados que começaram mais cedo. Eles não conseguiam entender a generosidade do patrão. A maneira de pensar deles estava muito contaminada por critérios terrenos. Assim, recusaram-se a deixar uma posição que consideram privilegiada. Para Deus, todos são iguais. E há possibilidade de salvação para todos.

 

Padre Guilherme da Silveira Machado é administrador paroquial na Paróquia de São Sebastião, em Leandro Ferreira. Apresenta os programas Caminhada na Fé, toda sexta-feira, às 14horas, na Rádio Divinópolis AM 720 e Momento Mariano, aos domingos, ao meio-dia, na Rádio Santana FM 96,9.

Publicidade