Comentário ao Evangelho do 2º Domingo da Quaresma (Mt 17,1-9) - 12/03/17

Quinta-feira, 9 de março de 2017 às 0h 00  - Atualizado às 19h 18

Naquele tempo, 1Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os levou a um lugar à parte, sobre uma alta montanha. 2E foi transfigurado diante deles; o seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz. 3Nisto apareceram-lhe Moisés e Elias, conversando com Jesus. 4Então Pedro tomou a palavra e disse: “Senhor, é bom ficarmos aqui. Se queres, vou fazer aqui três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 5Pedro ainda estava falando, quando uma nuvem luminosa os cobriu com sua sombra. E da nuvem uma voz dizia: “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo o meu agrado. Escutai-o!” 6Quando ouviram isto, os discípulos ficaram muito assustados e caíram com o rosto em terra. 7Jesus se aproximou, tocou neles e disse: “Levantai-vos e não tenhais medo”. 8Os discípulos ergueram os olhos e não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus. 9Quando desciam da montanha, Jesus ordenou-lhes: “Não conteis a ninguém esta visão até que o Filho do Homem tenha ressuscitado dos mortos”.

 

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

 


Comentário do Padre Guilherme

 

Esta passagem do Evangelho de Mateus conta sobre o evento que ficou conhecido como transfiguração. Foi um acontecimento sobrenatural, mais ou menos como uma antecipação do que Jesus seria depois de terminar sua missão nesta terra. E essa não foi a primeira nem única manifestação divina de ordem sobrenatural que ocorreu na vida de Jesus.


No Evangelho de Lucas, quando conta sobre o tempo da infância de Jesus (Lc 2,41-52), Maria e José tiveram que voltar pra buscar o Menino que ficou pra trás, no Templo, conversando com os doutores da Lei. As palavras do Menino Jesus pra Maria e José também anteciparam o que seria a vida d’Ele no futuro. Essas antecipações são como que maneira de ensinar a respeito da missão salvadora. Na transfiguração, Jesus Se mostrou revestido de glória. Foi uma visão profética, podemos dizer mesmo apocalíptica, a respeito do final dos tempos, que é quando Jesus irá voltar, revestido de Sua glória divina.


Existem, nesta passagem, alguns pontos significativos para nossa reflexão:


1- A Transfiguração acontece no alto de uma montanha. Foi no alto de uma montanha que Deus manifestou os dez mandamentos, no tempo do Antigo Testamento. Também foi no alto de um monte que Jesus foi elevado na cruz, que é ponto extremo da sua ação salvadora. O alto de montanhas, de montes, sempre teve esse significado profundo na história da salvação. É lugar de revelação, de manifestação. Ainda, hoje, as pessoas gostam de colocar cruzes, construir capelas em lugares elevados. São lugares de onde se tem uma vista privilegiada e também favorece a oração, recolhimento e aprofundamento.


2- A presença de Elias e Moisés. São profetas dos tempos antigos. O povo daquele tempo tinha fé que esses profetas eram pessoas que tinham sido levadas para junto de Deus. Assim, se eles apareceram conversando com Jesus, significa que Jesus era alguém com quem esses profetas antigos já tinham convivência. É uma demonstração da divindade de Jesus.


3- A fala de Pedro. Depois de dizer que aquela situação era boa, que ficar ali era bom, ele faz a proposta a Jesus de construir três tendas e não mais saírem dali. Pedro pareceu sentir, contemplando a glória de Deus, que havia chegado o final dos tempos. Por isso, não queria sair dali.


4- A nuvem luminosa e a voz. são sinais da presença de Deus. A voz falou o mesmo que já havia sido dito antes, no Batismo de Jesus (Mt 3,17). Só que desta vez, além de descrever Jesus como o Filho de Deus, também há um mandamento para que Ele seja ouvido.


5- Os discípulos caírem com o rosto por terra e serem tranquilizados por Jesus. Isso é um indicativo de que não há razão para medo ou insegurança quando se está com o Senhor. Ele é motivo para confiança e esperança.


6- Jesus pede que não contem a ninguém até a ressurreição. A missão dos discípulos, a pregação deles, só deveria começar depois que Jesus fosse glorificado pelo acontecimento da ressurreição. Existe o tempo certo para a Evangelização acontecer.


O acontecimento da transfiguração foi muito marcante e decisivo na vida dos discípulos. Tanto que depois São Pedro falou a respeito em sua segunda carta (2Pd 1,16-18). A transfiguração ensina que através da oração, do recolhimento e busca de intimidade com Deus, é possível experimentar sua presença, ouvir sua voz. Enfim, na oração e na espiritualidade pode-se, já, experimentar um pouco da glória do Senhor.


Depois que terminou a manifestação, Jesus desceu com os discípulos e seguiu adiante com a missão. Nós, também, depois de abastecidos pela oração, pela presença de Deus com suas manifestações em nosso interior (que só é possível a quem busca uma vida espiritual profunda), também temos a tarefa de seguir em frente. Buscar a espiritualidade, a oração, a presença de Deus e viver na prática tudo o que rezamos.

 

Padre Guilherme da Silveira Machado é administrador paroquial na Paróquia de São Sebastião, em Leandro Ferreira. Apresenta os programas Caminhada na Fé, toda sexta-feira, às 14horas, na Rádio Divinópolis AM 720 e Momento Mariano, aos domingos, ao meio-dia, na Rádio Santana FM 96,9.

Publicidade