Comentário ao Evangelho do 19º Domingo Comum (Jo 6,41-51) - 12/08/18

Sexta-feira, 10 de agosto de 2018 às 15h 33

Naquele tempo, 41os judeus começaram a murmurar a respeito de Jesus, porque havia dito: “Eu sou o pão que desceu do céu”. 42Eles comentavam: “Não é este Jesus o filho de José? Não conhecemos seu pai e sua mãe? Como pode então dizer que desceu do céu?” 43Jesus respondeu: “Não murmureis entre vós. 44Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. 45Está escrito nos profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai, e por ele foi instruído, vem a mim. 46Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 47Em verdade, em verdade vos digo, quem crê, possui a vida eterna. 48Eu sou o pão da vida. 49Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. 50Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer, nunca morrerá. 51Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

 

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

Comentário do Padre Guilherme

 

Este trecho do Evangelho de João descreve parte de um longo discurso no qual Jesus faz algumas revelações bem profundas a respeito de Si mesmo: Sua origem celeste e a dimensão salvífica da fé nessa origem. Estes versículos falam também da perplexidade de um grupo de judeus diante dessas afirmações.


Como é bem costume do ser humano, os judeus que não aceitavam o que Jesus dizia começaram a manifestar essa discordância através de murmurações. O maior motivo de escândalo para eles era o fato de Jesus dizer que tinha origem divina. Eles não podiam aceitar que um homem nascido ali mesmo, de pais bem conhecidos por eles, pudesse vir da parte de Deus. A origem humana de Jesus era bem sabida. Então, como poderia ser Ele o messias anunciado e esperado há tanto tempo?


Jesus interrompeu a conversa, aconselhando que o debate fosse encerrado. Como eles não tinham informações sólidas a respeito do que Ele se baseava para afirmar aquelas coisas, a discussão não iria caminhar para uma conclusão válida. O que faltava para aqueles judeus era fé.


Somente iluminados por Deus Pai é que o seres humano pode compreender quem é Jesus. A orientação divina é oferecida a todos. Mas é preciso um movimento de resposta, pela fé, para poder adentrar nesse mistério.


Jesus disse ser o único acesso para se alcançar Deus. Porque somente Ele conhece o Pai. Através da fé, é possível comer do pão, ou seja, estar em união (comunhão) profunda e ser um só com Aquele que Se dá a comer. Em última análise, podemos dizer que o que Jesus está ensinando é que a condição para se alcançar a salvação, a vida eterna, é estar em união com Ele. E isso só pode ser realizado com fé.


A oferta que Jesus fez de Si mesmo, indo até o fim e entregando a própria vida, foi a maior doação do Pai em favor dos homens. O alimento que havia sido concedido pelo Senhor no deserto, o maná no tempo do êxodo, não é nada diante dessa nova e definitiva entrega. Porque quem receber Jesus como alimento, o Pão da vida, não morrerá. Alcançará a salvação, a vida eterna.


Receber Jesus é querer se unir a Ele de maneira radical e definitiva. E o primeiro passo para isso é aceitar, pela fé, que Ele é o caminho para a salvação. Só a fé nos permite enxergar em Jesus a presença real de Deus no meio de nós.

 

Padre Guilherme da Silveira Machado é administrador paroquial na Paróquia de São Sebastião, em Leandro Ferreira.

Publicidade