Comunicação a Serviço do Evangelho: Introdução

Fomos criados por Deus à sua imagem e semelhança (Gen 1,27). Deus nos fez assim, porque nos quis parecido com Ele. Por isso, somos capazes de amar, agir criativamente sobre o mundo e criar laços de comunhão. Em outras palavras, somos capazes de comunicação. Comunicar é um dom de Deus. É uma capacidade natural que temos para criar laços de comunhão.  Antes de teorizar sobre a comunicação é bom lembrar que ela é vivenciada na prática no dia a dia por todos nós.  Deus não nos fez para vivermos isolados feitos ilhas, se é que as ilhas vivem isoladas... Pela comunicação deu-nos, de presente a capacidade de construir pontes e ligar os abismos humanos. Apesar da beleza desse sonho divino o homem pode inverter esse projeto inicial. Em vez de construir pontes pode usar a comunicação para dominar, manipular, extorquir, criar abismos... O pecado, infelizmente, não é estranho a nenhuma realidade humana.

 

A engenhosidade humana criou infinitos recursos que ajudam na arte de comunicar. Hoje as ferramentas, os meios, são tantos que nos possibilitam experimentar  uma nova relação com o tempo e o espaço. Esses são quase superados pela velocidade e instantaneidade com que as informações circulam pelo mundo. Apesar de tantas possibilidades que possibilitam a comunicação o homem nunca esteve tão só e fragmentado. A Bíblia, logo no seu início, nos mostra como o homem se escondeu de Deus após o pecado. A amizade entre Deus e o Homem, antes tão bonita, foi substituída pelo medo e desconfiança.  O pecado faz isso: Pai e filho se tornam estranhos e os irmãos passam a não se entenderem. Em vez de unir ele divide e fragmenta toda a comunidade humana. Isso vai desde a experiência de uma família até as relações internacionais. O pecado semeia medo e desconfiança entre os homens e dos homens para com Deus. Por causa dele o homem se torna, de fato,  lobo do outro homem.

 

É bom lembrar que, apesar de nossas infidelidades Deus nunca desiste de nós. Somente isso, explica o fato de Ele ter nos enviado o seu Filho para refazer a aliança de amizade outrora quebrada pelo pecado.

 

Jesus é o grande comunicador do Pai. Por meio dele o Pai se nos revela e revela o homem ao homem mesmo. Mostra-nos a nossa grandeza e dignidade. Jesus é o nosso melhor modelo de comunicação. Ele não veio até nós, para piorar as coisas, nem para “apagar a chama que ainda fumega”... mas, para melhorar e nos ensinar a olhar a realidade de forma diferente. Veio para buscar a sua ovelha perdida e sem esperança. Retornando ao Pai, enviou-nos o Espírito Santo que renova sempre todas as coisas.

 

Comunicar a serviço do Evangelho é comunicar esperança e confiança. É lembrar que Deus sempre caminhou com seu povo e não é agora que Ele irá deixar de fazê-lo. Com Ele e gozando de sua companhia tudo se torna mais fácil. Novos horizontes se descortinam diante de nós. No passado, Ele cuidou de seu povo no deserto e chegou a abrir o mar para tirar esse povo da escravidão. Hoje, Ele não faria diferente, pois somos o seu povo e nenhum cabelo de nossa cabeça cai sem o seu consentimento. Por isso, não temos razões para dúvidas e desesperos.


“Se Deus é por nós, quem será contra nós”?

 

Publicidade